Pular para o conteúdo principal

Postagens

Lojas com história

Lojas com história é um projeto super bacana da Câmara Municipal de Lisboa. O objetivo é valorizar estabelecimentos comerciais históricos, publicando fotos e, claro, contando um pouco da história das lojas. Para quem tem intenção de visitar Lisboa o site pode servir para criar um excelente roteiro turístico alternativo. Para quem não está na capital lusa é uma maneira matar ou de aumentar a saudade. Se você não conhece a cidade, os cafés e os restaurantes vão dar água na boca, uma vontade incontrolável de fazer as malas e sair correndo para Lisboa. Não perca os documentários disponíveis na página de Lojas com história. Além de ouvir o delicioso sotaque português,  você pode conferir os depoimentos dos comerciantes, verdadeiras declarações de amor aos próprios ofícios.
Curtam e compartilhem.
Documentário disponível na página Lojas com história
Postagens recentes

Eu Sou Amazônia - Descubra sua conexão no Google Earth

Graças ao projeto Eu sou Amazônia, desenvolvido pelo Google Earth é possível conhecer algumas facetas da Amazônia brasileira, descobrir frutas, sotaques, cores e problemáticas.  O projeto é dividido em 11 partes, cada qual destinada a um aspecto: conhecimento, raízes, comida, liberdade ou inovação, para dar alguns exemplos. Na minha modesta opinião, um material excelente para professores de PLE. Há muitas entrevistas com a população local e, claro, muitas questões culturais relevantes: quilombos, demarcação de terras, gastronomia, população indígena. Um projeto interessante tanto para estrangeiros quanto para brasileiros que queiram conhecer um pouco mais sobre esse imenso território que é a Amazônia. Os vídeos são espetaculares e dá vontade de sair correndo para a Amazônia agora mesmo. 
Escolhi este sobre a castanha para dar uma palhinha.

Você pode acessar os outros vídeos do projeto no canal do Google Brasil no Youtube. Aquele abraço.

Você vai voltar pra mim

A primeira vez que ouvi falar de Bernardo Kucinski foi em 2016, no Dia da Língua Portuguesa. Eu era leitora na Universidade de Roma Tor Vergata, o colega responsável pela disciplina tinha organizado um encontro com tradutores e editores de autores de Língua Portuguesa e entre os participantes estava Vincenzo Barca, o tradutor italiano di Kucinski. Sentada entre os estudantes me senti mais aluna do que eles enquanto ouvia as considerações dos presentes sobre a Literatura de Língua Portuguesa contemporânea. E quando Vincenzo iniciou a falar sobre K. – Relato de uma busca me dei conta de quantas coisas eu não sabia sobre a ditadura militar no Brasil. A única coisa que a escola tinha deixado na minha memória era o nome dos generais que se sucederam na presidência e a televisão tinha conseguido marcar a imagem de João Baptista Figueiredo, o último militar a ocupar o poder. Anotei o nome de Kucinski no meu cardeninho e iniciei a minha busca infrutífera. Com o fechamento da Cosac Naify, o dep…

Cabra marcado para morrer

Neste mês de Julho, a Cinemateca do Matadero, em Madri, exibe o ciclo 60 años documental Iberoamericano. O documentário Cabra marcado para morrer, de Eduardo Coutinho, faz parte da programação nos dias 02 e 09. Em 1962, membros do Centro Popular de Cultura (CPC), órgão da União Nacional do Estudantes (UNE), participavam duma caravana que percorria o país para promover a discussão da reforma universitária. Eduardo Coutinho era um dos participantes do grupo que chegou no estado da Paraíba em abril daquele ano, duas semanas depois do assassinato do líder da Liga Camponesa da Paraíba, João Pedro Teixeira, morto numa emboscada organizada pelos latifundiários da região. O CPC presencia as manifestações dos camponeses durante o enterro do líder e nos dias seguintes e daí surge a ideia de fazer um filme que conte a história de João Pedro Teixeira. Dois anos mais tarde, em 1964 portanto, as filmagens deveriam iniciar, mas os conflitos armados na região,a morte de onze pessoas e a invasão daPolí…

Almada Negreiros

Das muitas figuras que merecem destaque  no início do século XX em Portugal, Almada Negreiros é sem dúvida o artista mais completo e o que melhor se adapta ao conceito de vanguardista. Começou sua carreira artística fazendo desenho humorístico, colaborou com a revista Orpheu, tornou-se pintor, bailarino, coreógrafo, figurista, desenhador, autor de teatro e não fez distinção entre os setores da Arte. Em 1927, chega em Madrid  e integra-se à vida madrileña, dando mostra de sua intensa atividade cultural participando das tertúlias do Café Pombo e do Café La Granja El Henar, colaborando como ilustrador de diversas revistas e seguindo de perto as tertúlias de arquitetura do Café Zahara. rfequentou Federico García Lorca, Unamuno e Valle-Inclán. Enfim, cinco anos intensos que foram estudados por investigadores de diversas áreas e que foram reunidos no livro Almada Negreiros en Madrid, publicado pela UAM, e apresentado por ninguém menos que Nuno Júdice, na Feira do Livro.  Além de conhecer melh…

Cinema e literatura

O Telão começa falando sobre a resenha organizada pela Secretaría General Iberoamericana (SEGIB) que associa cinema e literatura. Do dia 05 ao dia 09 de junho, na Biblioteca Eugenio Trias, no Parque do Retiro, os cinéfilos e curiosos podem assisitir a filmes portugueses e brasileiros baseados em obras literárias dos dois países. O primeiro filme será Ensaio sobre a cegueira, de Fernando Meirelles inspirado no livro homônimo de José Saramago. Para quem tem restrições relacionadas à adaptação de obras literárias ao cinema, aviso que o trabalho de Meirelles agradou ao Nobel português, como podemos ver neste trecho do documentário José e Pilar:

Mas Ensaio sobre a cegueira não é o único caso de uma adaptação brasileira de uma obra portuguesa presente nesta resenha de cinema e literatura. O carioca Daniel Filho levou o clássico de Eça de Queirós, para o outro lado do oceano em 2007 e colocou o sotaque brasileiro nos personagens O primo Basílio. Portugal apresenta três filmes inspirados em livr…

Oquestrada

A Feira do Livro não é feita só de livros, conta também com shows, filmes, leituras dramatizadas e bilingues. Na noite do dia 27 de maio o grupo Oquestrada apresentou-se na Casa de Vacas do Parque do Retiro e quem conferiu o show pode dançar, ouvir boa música e rir com as brincadeiras da carismática vocalista,  Marta Miranda. O grupo português, ativo desde 2002, mescla música popular com fado e sons tradicionais com modernos e passa longe de rótulos e definições de gênero musical.  Oquestrada leva ao palco um resultado autêntico que associa guitarra portuguesa, uma contrabacia mais que original tocada por Jean Marc Pablo (foto abaixo), um acordeão e um trompete.

Em 2009 o grupo lançou Tasca Beat – O sonho português, no qual encontramos Oxalá, Se esta rua fosse minha e Senhora do Tejo. Em 2014 chegou o Atlantic Beat Mad’in Portugal, com O teu murmúrio, Parei na madrugada e Sweet old country (um fado europeu).
Não é nada difícil ficar com a música dos portugueses na cabeça e passar o dia c…